quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Sustentabilidade e Educação: Conscientização ou fazer por fazer?

Estamos em um momento muito complexo em relação ao mundo e seu processo de deterioração. O cuidar com nossas atitudes de consumo e cuidados pequenos com o meio ambiente fazem toda a diferença, apesar de não percebermos isso em curto prazo.

Acredito que devemos iniciar uma análise coletiva nas ações do cotidiano, pois nosso comportamento tende a mudar de acordo com o espaço que estamos. É como se o ambiente nos modificasse. Um exemplo são as crianças quando estão na escola. Elas são trabalhadas para reciclarem todo o lixo, desde o que usam em sala até o lixo orgânico gerado na hora do lanche.
Quando vão para a praia com os pais, elas deixam na areia o sabugo do milho e a lata de refrigerante. Deixam, é claro, porque os adultos também o fazem, inclusive, escondem na areia a bituca do cigarro. As crianças copiam as referências dadas pelos adultos que estão em torno dela.
Esse pequenos momentos, ao invés de serem construtivos, destroem muitas vezes o trabalho de um ano todo de uma escola ou de um grupo de escoteiros, que tentam educar para a sustentabilidade.
Iniciando um novo ano, vamos pensar nas referências do mundo que estamos formando para as próximas gerações, pois quando se vê desmoronar morros no meio de lixos e entulhos de obras antigas, vê-se também a mão humana, pois a mesma mão que joga o lixo seca a lágrima desesperada de quem perdeu suas coisas e seus entes queridos.
Afirma-se, portanto, que plantamos e colhemos o que plantamos. Se o lixo fosse reciclado de maneira inteligente e consciente, ele não estaria no meio de tudo aquilo e seria usado com qualidade, como é feito nos países mais desenvolvidos, onde se recicla tudo ou, se não for possível, queima-se virando energia para o uso da população.
Quem sabe neste ano que inicia com novo projeto de prefeitura, nós podemos pensar em agir nas escolas e nas empresas de forma pensada coletivamente. Que nossa cidade seja exemplo de sustentabilidade.
Precisamos pensar nisso, pois é tão fácil fazer, basta querer.

Arquivo SinepeArquivo Sinepe 

3 comentários:

  1. "A hora do planeta"
    O que posso dizer? Bom, é um começo!
    Explico: Enquanto o individualismo prevalecer e este consumo desenfreado continuar, o impacto sob tds as nossas reservas terá proporções imensuráveis e daqui a pouco estaremos nos matando por comida, água, combustíveis e meios de sobrevivência atacando uns aos outros. Acredito, e pelo bem comum, que deveríamos adotar com urgência muitas horas ao planeta e criar uma forma melhor de conscientização, assim quem sabe, teremos algma chance para nossos filhos e gerações futuras.
    Abço.
    Dr. Abraão Rosah.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário... o Planeta agradece!!!